Empresa de ônibus do acidente com 41 mortos em SP está irregular

Veículo levava trabalhadores para fábrica de jeans

Um acidente entre um ônibus e um caminhão, na manhã desta quarta-feira, deixou pelo menos 41 mortos e 10 feridos. A tragédia ocorreu numa Rodovia entre Taguaí e Taquarituba, no interior de São Paulo.

O ônibus e o caminhão bateram de frente. Segundo o Corpo de Bombeiros, 41 pessoas morreram, 37 delas no local, e outras quatro chegaram a ser socorridas, mas não resistiram aos ferimentos.

Outras 10 pessoas estão sendo atendidas em hospitais da região. Pelo menos duas delas seguem em estado grave.

Os hospitais pedem ajuda da população para repor os estoques de sangue. O Hemocentro de Botucatu está recebendo as doações e divulgou os telefones para as pessoas que puderem colaborar com as vítimas que estão precisando de transfusão de sangue.

Os doadores podem agendar o atendimento pelo WhatsApp no número (14) 99624-7055.

Os corpos das vítimas foram transferidos para o IML, Instituto Médico Legal de Avaré, onde foi montada uma força tarefa para acelerar a identificação das pessoas.

Entre os sobreviventes está o motorista do caminhão, que teve ferimentos leves. Ele e outros feridos em situação menos grave prestam depoimento para tentar esclarecer o que pode ter causado o desastre.

O local também já foi analisado pelos peritos da Polícia Civil.

Segundo a porta-voz da Polícia Militar, capitã Aline Camargo, esse foi o maior acidente em número de vítimas no estado de São Paulo dos últimos 20 anos.

A prefeitura de Taguaí decretou luto oficial de três dias.

A colisão aconteceu no quilometro 172 da Rodovia estadual 249, conhecida como rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho. Uma estrada simples, de mão dupla, que liga as cidades de Taguaí a Taguarituba, no sul do estado, bem perto da divisa com o Paraná. A região é um polo de confecção de jeans.

O acidente aconteceu por volta das 6h30, e as pessoas estavam no ônibus a caminho do trabalho em uma das indústrias da região, a Status Jeans, que fica na cidade de Taguaí. Segundo o advogado da empresa, Emerson Fernandes, o ônibus que fazia o transporte dos funcionários foi fretado pelos próprios trabalhadores.

O ônibus pertencia à empresa de ônibus Star Turismo e Viagem. Segundo a Artesp, a Agência de transporte do Estado de São Paulo, desde outubro de 2019 a empresa estava operando ilegalmente, sem autorização na agência. Só este ano ela foi multada 3 vezes por transporte clandestino de passageiros.

Desde a reforma trabalhista aprovada em 2017, acidentes de trajeto deixaram de ser considerados acidentes de trabalho.

*A reportagem não conseguiu contato com a empresa Star Turismo e Viagem. O espaço está aberto para resposta.

 

Fonte: Rádio Agência Nacional

Comentários