Joe Biden recebe dose de reforço de vacina contra a Covid-19 nos EUA

O reforço na vacinação foi aprovado pelo CDC, autoridade sanitária americana, na semana passada e é recomendado apenas para pessoas idosas e adultos com comorbidades.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, de 78 anos, recebeu nesta segunda-feira (27) uma dose de reforço da vacina contra a Covid-19 .

A aplicação do reforço vacinal foi aprovada pela autoridade sanitária americana na semana passada e é recomendada para pessoas idosas e adultos com comorbidades.

O presidente americano falou com jornalistas enquanto era vacinado em um auditório da Casa Branca, residência oficial e sede do governo dos EUA.

 

"Vamos fazer a nossa parte", disse Biden quando questionado sobre o acesso a vacinas por nações mais pobres.

 

Biden disse que a esposa Jill, de 70 anos, também receberá uma vacina de reforço em breve.

O presidente dos EUA, Joe Biden, recebe a dose de reforço contra a Covid-19 na Casa Branca em Washington em 27 de setembro de 2021 — Foto: Kevin Lamarque/Reuters

O presidente dos EUA, Joe Biden, recebe a dose de reforço contra a Covid-19 na Casa Branca em Washington em 27 de setembro de 2021 — Foto: Kevin Lamarque/Reuters

As infecções nos EUA têm crescido por causa da variante delta do coronavírus. Na semana passada o país voltou a registrar mais de 2 mil mortes diárias por complicações da doença.

Segundo a plataforma "Our World in Data", vinculada à Universidade de Oxford, os EUA aplicaram as duas doses – ou dose única – em cerca de 56% de sua população.

O país tem enfrentado dificuldades para incentivar a vacinação – gratuita e universal – entre seus habitantes e até oferece dinheiro para quem se vacinar.

O presidente americano já chegou a dizer que o país vive hoje uma "pandemia dos não-vacinados" em que casos e mortes atingem diretamente a população que optou por não se proteger com a vacina.

OMS é contra

Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), os dados atuais não indicam que as doses de reforço são necessárias.

A entidade defende que as pessoas mais vulneráveis ​​em todo o mundo devem ser totalmente vacinadas antes que os países mais ricos imunizem com mais uma dose a sua população.

Para a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, mais pesquisas são necessárias para definir o esquema vacinal com mais uma dose.

Ela alertou que deixar bilhões de pessoas no mundo sem vacina pode promover o surgimento de novas variantes e resultar em situações ainda piores.

 

Fonte:G1

Comentários