Isopor para diminuir o calor é achado no teto da cela de Sérgio Cabral

Vara de Execuções Penais apura se Sérgio Cabral tem regalias na cadeia

Um dos presos mais conhecidos é o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, condenado em 22 processos criminais na Lava Jato. São condenações por crimes como corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. As penas somadas chegam a 407 anos de prisão.

Em setembro passado, Cabral foi transferido de Bangu 8 para o BEP.

Foto de arquivo: O ex-governador Sérgio Cabral é conduzido pela PF  — Foto: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

Foto de arquivo: O ex-governador Sérgio Cabral é conduzido pela PF — Foto: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

A decisão do juiz federal, Marcelo Bretas, teve como base uma ordem do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin. O ex-governador deveria ficar longe de pessoas citadas por ele no acordo de delação premiada.

Seis meses depois da mudança de Cabral para o BEP, a Justiça observou indícios de regalias na cela dele.

A suspeita veio à tona no dia 23 de março, numa vistoria de juízes da Vara de Execuções Penais e do Conselho Nacional de Justiça.

Eles encontraram o que seria um artifício para que o ex-governador pudesse enfrentar, com mais conforto, os dias de muito calor. O teto da cela foi revestido com isopor, que é usado como isolante térmico.

"O isopor tem em volume mais de 97% de ar, que é exatamente isso que confere a ele a propriedade de isolante térmico. Então o isopor é muito usado como isolante térmico em várias situações", explicou Harley Martins, do Conselho Regional de Química do RJ.

O revestimento de isopor também foi encontrado numa outra cela do BEP, onde está o tenente-coronel Cláudio Luiz Silva de Oliveira — oficial da PM condenado pela morte da juíza Patrícia Acioli. O crime foi em agosto de 2011.

A cela de isopor não foi a primeira denúncia de regalia na prisão contra o ex-governador Sérgio Cabral.

Em 2017, câmeras de vigilância de Bangu 8 mostraram que Cabral circulava livremente pela unidade, recebia encomendas e visitas fora de hora.

Imagens mostram facilidades de presos em Bangu 8 — Foto: Reprodução/TV Globo

Imagens mostram facilidades de presos em Bangu 8 — Foto: Reprodução/TV Globo

Naquele mesmo ano, em outra unidade, em Benfica, uma sala de cinema foi montada para Sérgio Cabral, com TV de 65 polegadas, aparelhos com caixas de som e um equipamento para rodar 160 filmes comprados exclusivamente para as sessões na cadeia.

Também em Benfica, o Ministério Público flagrou mais privilégios: alimentos importados na ala onde estava Cabral — como camarão, queijo francês, presunto de Parma, castanha, bolinhos de bacalhau e iogurte.

Em relação à história das celas de isopor, a Vara de Execuções Penais já abriu procedimento para apurar as irregularidades.

Na lixeira do BEP, em Niterói, juízes também encontraram embalagens de restaurantes. O caso está sendo investigado.

O que dizem os envolvidos

Polícia Militar informou que assim que recebeu a denúncia do Conselho Nacional de Justiça sobre o isopor na cela, o secretário de Polícia Militar, Luiz Henrique Marinho Pires, determinou a exoneração do comandante da unidade prisional e a abertura de Inquérito Policial Militar (IPM), para a apuração dos fatos.

Apesar de a vistoria ter acontecido no fim de março, a troca de comando só ocorreu nesta segunda-feira (11). 

O tenente-coronel Alex Cabral de Oliveira deixou a direção da unidade e no lugar dele assumiu a tenente-coronel Andreia Ferreira da Silva.

O ex-governador Sérgio Cabral e o tenente-coronel Cláudio Luiz de Oliveira têm a mesma defesa. Ela alegou que o isopor pode ser encontrado em todas as celas da galeria onde os dois estão presos.

 

Fonte: G1

Comentários

Arquivo de Notícias
Publicidade
Categorias